Debate Segurança Pública no Estado da Bahia‏

Proposta de reunião da sociedade civil para debater a política de Segurança Pública no estado da Bahia

O mês de março foi marcado por ostensiva intervenção policial em bairros identificados por baixos indicadores sociais, presença do tráfico de drogas e incipiência de políticas públicas, resultando em mortes quase sempre justificadas por “troca de tiros com a polícia”, prisões e violência. Sem desconhecer o “poder de fogo” do tráfico ou de grupos de extermínio, tais acontecimentos se distanciam de uma perspectiva de atuação inspirada pelos princípios dos Direitos Humanos e de políticas estatais empreendidas em um estado Democrático de Direito.


A primeira ocupação, eminentemente policial, portanto militarizada, ocorreu na comunidade do Calabar, onde foi amplamente veiculada pela mídia de que a operação policial se tratava da instalação de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no estado da Bahia, posteriormente, tal informação foi desconstruída pelo comando da Polícia que identificou o programa de ocupação como sendo as Bases Comunitárias de Segurança (BCSs), inspiradas no programa da polícia do estado de São Paulo.

No que pese a alternância da representação no comando da secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia, o modus operandi frente a antigos problemas sociais se mantém cristalizado: força policial, violência, constrangimento de moradores etc. Portanto, faz-se necessário discutir, propor, elaborar e implementar um novo modelo de Segurança Pública à luz dos direitos humanos. Torna-se premente um diálogo aberto e ampliado entre governo e organizações da sociedade civil.

Inquietos com a situação que se instala na Bahia, organizações e movimentos sociais estiveram reunidos na última terça-feira e propõem uma reunião ampliada, onde se considere a amplitude de representações da sociedade civil e sua forma de pensar o modelo de Segurança Pública na Bahia. Discutiu-se a urgência de um posicionamento público, a realização de audiência pública para debater este tipo de intervenção e avaliação do PRONASCI, audiência com o Governador e um seminário. Então, convidamos e esperamos você para este novo encontro.

Data: 06 de abril de 2011
Horário:
17 horas
Tempo de duração:
aproximadamente 02 horas
Local:
Coordenadoria Ecumênica de Serviços (CESE). Rua da Graça, 164 – Graça
Metodologia
: Exposição dialogada sobre os acontecimentos da cidade; apresentação das reflexões e propostas da reunião ocorrida em 29/03/2011; novos aportes ao debate e elaboração de novas propostas, se necessário; encaminhamentos.

Tagged under:

5 Comments

  • Fatima Gavião Responder

    É de extrema importancia a nossa participação, não podemos aceitar que uma comunidade seja constrangida da forma que foi e não exigir (sempre) reparação e implantação imediata dos meios de transformação, atraves de politicas publicas de inclusão social, que inclusive deveriam ter chegado antes.

  • Daiane Hoffmann Responder

    Eu sou Psicoterapêuta e doutoranda em Psicologia pela universidade de Buenos Aires na Argentian desenvolovo a minha tese no Estado da Bahia sobre Psicologia. Onde discuto com o olhar da ciência o Policial Militar, que precisa ser mais preparado para desenvolver o seu trabalho. É um dos primeiros trabqalhos no Brasil, onde se discute segurança pública dentro da ciencia da psicologia.
    Eu acredito e defendo o Policial Militar da Bahia, onde considero uma das melhores policias que temos no Brasil…
    A Comunidade Científica me deu a missão de cuidar da saúde mental dos policais militares. E missã dada, parcdeiro é mi9ssão cumprida.
    Daiane Hoffmann.

  • Daiane Hoffmann Responder

    È de fundamental importância que os nossos policiais estejam psicologicamante bem para ser mediadores desses conflitos sociais. Em uma operação dessas o domínio das emoçoes é fundamental.
    O policial Militar está a todo momento lidando com Stress, Violência e Morte, que são os fatores agravantes para desenvolver alguma patologia. Por isso, afirmo que os nossos policiais militares precisam de apoio psicológico para desenvolver um melhor trabalho para a comunidade.
    Os nossos policiais militares, que cuidam da nossa segurança, também necessitam de cuidados.
    São os Policiais Militares que representam o EStado de Direito e executam as políticas públicas de Segurança, por isso precisam estar bem preparados para isso.

  • Daiane Hoffmann Responder

    Verifiquem o email…

    • DjBranco Responder

      Qual e-mail ?

Leave a Reply

Your email address will not be published.