Culturas Negras em Portos das Américas, Europa e África

Goli Guerreiro lança dois livros nos quais elabora um novo olhar sobre a diáspora africana e desvenda o mundo atlântico do século 21

A antropóloga e escritora Goli Guerreiro volta à literatura com dois livros sobre estéticas negras contemporâneas, Terceira diáspora, culturas negras no mundo atlântico e Terceira diáspora, o porto da Bahia, pela Editora Corrupio. Em Salvador, o lançamento acontece no dia 12 de novembro, às 17h30, na Galeria do Livro do Espaço Unibanco de Cinema Glauber Rocha, Centro.

A autora apresenta sua ideia original da terceira diáspora: “Um deslocamento de signos – ícones, modos, músicas, filmes, livros – provocado pelo circuito de comunicação da diáspora negra”. Segundo Goli Guerreiro, este circuito, no século 21, “foi potencializado pela globalização eletrônica e pela web que colocam em conexão digital os repertórios culturais de cidades atlânticas”.


A pesquisadora afirma que a terceira diáspora é o momento atual das culturas negras deslocadas, processo iniciado com “a primeira diáspora que, na história moderna, ocorreu pela via da escravidão e do tráfico atlântico. Uma segunda pela via das migrações como a de jamaicanos e nigerianos para Londres; de cubanos para Nova York; de angolanos para Lisboa e Brasil”. Nos livros ela aponta como esses deslocamentos redesenharam a ambiência cultural do mundo atlântico contemporâneo.

Trienal de Luanda
As obras foram apresentadas, primeiramente, no evento de arte contemporânea, a II Trienal de Luanda – Geografias Emocionais Arte e Afectos, em Angola no dia 27 de outubro. Em Luanda, Goli Guerreiro fez conferência para uma plateia que acompanhava a projeção de imagens dos livros. A cidade foi uma das quatro pesquisadas virtualmente pela autora, através de literatura, música, blogs e youtube.

“Aconteceu de ser a cidade que recebeu este objeto em primeira mão e ainda com a presença de artistas de Salvador cujas obras estão no livro, como o carrinho multimídia de Ana Dumas e o grafiteiro Dennissenna. Foi uma troca muito viva!”, diz a autora.

O livro provocou um encantamento nas pessoas. Talvez pelo cuidado com que é apresentado. “Há uma carga afetiva muito forte, que é facilmente percebida e isso causa um impacto bacana. Teve um senhor na plateia que me disse que o livro deu a ele a noção da amplitude do repertório africano no mundo. Ele, mesmo sendo angolano, não tinha percebido com tanta clareza”. Músicos, escritoras, jornalistas, crianças, curadores e artistas da Trienal estavam no Cine Teatro Nacional de Angola prestigiando a escritora baiana.

Forma e Conteúdo
Construído com uma narrativa pouco usual, os livros são blogs impressos, fartamente ilustrados, com posts que são “percepções do atlântico”, nos quais as imagens são a pedra de toque da abordagem que cartografa ambiências e práticas comportamentais em 21 cidades do mundo atlântico. Goli observa práticas culturais em diversos campos: literatura, moda, cinema, música, teatro, religião, design, esporte.

“Busco uma linguagem blogada”, diz a pesquisadora, que criou uma forma de expressão própria, não apenas no modo de “editar o repertório da  terceira  diáspora”, mas também no modo de contar a história (da primeira e da segunda diásporas) como uma colagem de fragmentos das vastas referências utilizadas, que citam filmes, romances, blogs, ensaios. O design dos livros, assinado por Valentina Garcia, é fundamental para dar forma ao conteúdo sem amarras proposto pela pesquisadora.

GPS
Salvador da Bahia, a maior cidade da diáspora atlântica, é o porto do qual se parte em várias direções, para conhecer o acervo musical, literário e iconográfico que a experiência da autora permitiu reunir em cidades dos EUA, Cuba, Trinidad & Tobago, Moçambique, África do Sul, Benin, Senegal, França, Inglaterra e Portugal, países visitados pela antropóloga baiana.

Embora independentes, os dois livros são intimamente ligados. O primeiro é uma viagem pelo repertório cultural de 21 cidades do mundo atlântico. O segundo livro escaneia a produção cultural da Salvador do século 21, moldada pelo deslocamento de signos da terceira diáspora.

Sobre a autora
Goli Guerreiro é pós-doutora em antropologia pela UFBA, onde realizou pesquisa sobre culturas negras no mundo atlântico e desenvolveu a ideia de terceira diáspora. Ela também edita o blog www.terceiradiaspora.blogspot.com. Baiana de Salvador, é viajante e fotógrafa amadora, registra cenas do cotidiano em cidades atlânticas sobre as quais escreve e realiza mostras audiovisuais.

Dedica-se à antropologia urbana desde 1987. Mestre e doutora pela USP, pesquisou a juventude identificada com o rock produzido no Brasil; publicou o livro Retratos de uma tribo urbana – rock brasileiro. O doutorado foi base para o seu segundo livro A trama dos tambores – a música afro-pop de Salvador. Atualmente é consultora editorial e curadora da Coleção Cidades da Bahia da Editora Corrupio.


SERVIÇO:
Terceira diáspora, culturas negras no mundo atlântico e Terceira diáspora, o porto da Bahia

Lançamentos:

  • II Trienal de Luanda – Geografias Emocionais Arte e Afectos

27 de outubro, 19h.

Cine Teatro Nacional, Rua do 1º Congresso do MPLA, 20-24, Ingombotas, Luanda, Angola

  • Salvador, 12 de novembro,

a partir das 17h30, Galeria do Livro, Espaço Unibanco Cine Glauber, Centro

Autora: Goli Guerreiro

Gênero: ensaio

Editora: Corrupio

Formato: 23 x 21,5

Páginas: 200 páginas (cada)

Preço: R$100 (Livro 1 e 2) no lançamento

Vendas: Editora Corrupio

Venda em loja virtual: www.terceiradiaspora.net

CONTATOS:

Goli Guerreiro – (71) 9977-1080

goliguerreiro@gmail.com

Editora Corrupio – (71) 3245-1833

ASSESSORIA DE IMPRENSA:
Claudia Pedreira – (71) 8879-7994

Tagged under:

2 Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.