Fórum Nacional de Juventude Negra lança edital de concurso de pequenos projetos

Fórum Nacional de Juventude Negra lançou no dia 21 de março, Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, o Fundo de Apoio para Pequenos Projetos às Organizações Juvenis Negras “Manuel Faustino dos Santos Lira”.

A iniciativa é parte de um conjunto de ações que compõe a Campanha Nacional contra o Extermínio da Juventude Negra e visa capilarizar suas ações através de apoio financeiro às organizações juvenis negras para que possam realizar atividades relacionadas aos temas da Campanha.


O Fundo objetiva apoiar pontualmente o desenvolvimento de atividades de organizações e grupos de juventude negra do Brasil, que tenham como diretriz o combate à violência contra a juventude negra, visando potencializar o debate sobre o tema e ampliar os espaços de disseminação das perspectivas da juventude negra frente a essa realidade.

O nome do Fundo é uma homenagem ao jovem negro soteropolitano Manuel Faustino dos Santos Lira, um dos heróis da Revolta dos Búzios no século XVIII, que foi executado aos 18 anos de idade, em 08 de novembro de 1799, condenado à morte por enforcamento, por integrar o grupo dos líderes da Revolução.

A Campanha Nacional contra o Extermínio da Juventude Negra se destina a propiciar um diálogo junto à sociedade sobre os efeitos históricos do racismo na qualidade de vida da juventude negra brasileira e a negação dos direitos humanos essenciais a essa juventude, culminando muitas vezes na morte programada de milhares de jovens negros e negras por todas as regiões do país, enfatizando nesse cenário as discussões sobre violência de gênero, intolerância religiosa e demais formas de discriminações correlatas.

A Campanha é uma realização do Fórum Nacional de Juventude Negra, em parceria com o Instituto Cultural Steve Biko e a ONG Enda Brasil, com apoio da Fundação Kellog.

Mais informações: www.fonajune.com.br

Tagged under:

2 Comments

  • Fatima Gavião Responder

    Quero muuiiitttoooo ver essa discussão nas ruas, que podemos fazer para isso? Sou Promotora Legal Popular e Agente Comunitária de Saúde d Calabar, não aguento mais houvir esse papo de “troca de tiros com a polícia”, acho que teos que fer uma grande manifestação, qu una vários setores dos Direitos Humanos

  • Neuda Lima Responder

    Só um Brasil unidos de Norte a Sul, construindo uma nova sociedade, sem preconceitos e sem disfarces é que seremos de verdade cidadãs e cidadãos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.