Missa celebra a memória de moradores de rua executados em chacina

Moradores de rua, representantes de entidades e movimentos parceiros e autoridades convidadas celebram neste sábado (20/02) a memória dos cincos moradores de rua assassinados em janeiro deste ano em Salvador. Às 16 horas, no fim de linha do Cabula VI, local da chacina, são esperadas cerca de 200 pessoas para uma missa presidida pela Cardeal Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Dom Geraldo Majella Agnelo. Organizado pela Comunidade da Trindade, o ato é também uma expressão de indignação e protesto diante da violência e do desrespeito à vida humana. No mesmo dia, movimentos de populações de rua de Curitiba, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e São Paulo estarão fazendo manifestações políticas em solidariedade aos baianos.


Chacina – Os catadores de material reciclável, Itamar Silva de Jesus, Luís Eduardo, Élio Barreto Silva e Rosalvo foram assassinados com tiros à queima-roupa na cabeça, por volta das 7h do dia 16 de janeiro. As investigações estão sendo feitas, mas não há pistas sobre o motivo da chacina. A vizinhança suspeita que o crime foi uma espécie de limpeza social na área.Moradores do bairro que tinham contato diário com as vítimas ficaram chocados com o crime e no 7º dia após a morte dos catadores celebraram uma missa para eles. A viúva Dona Francisca Abreu sempre se emociona quando fala das vítimas. “Estão me fazendo falta. Eles eram como uma família para mim”. Em casa, ela mostra o jarro com as rosas que um deles, o Luis, ajudou a cultivar. Os laços de amizades tecidos entre eles revelam detalhes da convivência que humanizam a vida das vítimas.Após 10 dias da chacina no Cabula VI, o morador de rua Ednei, conhecido como Lacraia, foi assassinado com dois tiros no abdômen enquanto pedia esmola numa sinaleira do bairro Campo Grande, em Salvador. A polícia suspeita de envolvimento com tráfico de drogas, mas não descarta a possibilidade de crime homofóbico, já que Ednei era negro e homossexual.

Organização e Mobilização Social – A população de rua de Salvador está se organizando para a conquista de políticas públicas que ajudem no resgate da dignidade e da cidadania desse povo. No dia 13 de março, está previsto um encontro de moradores de rua, a ser realizado no auditório da Ação Social Arquidiocesana (ASA), no Garcia.

Organizado pela Comunidade da Trindade, um projeto social desenvolvido pela Arquidiocese de Salvador que atente e acolhe moradores de rua, o encontro pretende ouvir as demandas da população local e apresentar o Movimento Nacional de Moradores de Rua. O dia começa com café da manhã e música para acolher os convidados e termina com a elaboração de uma Carta de Intenções para agendar o próximo encontro, onde deve acontecer a formação do Movimento de População de Rua de Salvador. Esse processo de mobilização acontece desde 2001, quando a Comunidade da Trindade, com apoio da Cáritas, conseguiu levar 100 pessoas em situação de rua para 1ª Marcha Nacional da População de Rua, realizada no dia 7 de junho do mesmo ano.

A iniciativa conta com uma rede de apoio que tem a Cáritas como uma das entidades integrantes. “O apoio à formação e fortalecimento desse movimento na Bahia é prioridade nossa e deve ir além desse encontro”, disse o assessor da Rede Cáritas Nordeste3, José Carlos Moraes. O secretariado da entidade está avaliando as condições de acompanhamento sistemático a esse movimento em Salvador.

A inserção no meio urbano foi tomada como um desafio pela Rede, que desenvolve projetos de desenvolvimento solidário e sustentável com articulações e movimentos sociais. Um desses projetos é o Reciclando Vidas, que promove ações de estimulo à geração de renda e melhoria da qualidade de vida de catadoras e catadores de materiais recicláveis, tendo como principal estratégia a organização desses trabalhadores. Assim como a população de rua, o Movimento Nacional dos Catadores Materiais Recicláveis será referência nacional de articulação dos grupos locais na proposição e elaboração de políticas públicas.

Serviço:
O que? Missa em homenagem a moradores de rua executados em chacina
Onde? Fim de linha do Cabula VI, em Salvador (Ba)
Quando? Sábado (20/02) às 16h

Contato para entrevistas:
Maria Lúcia Santos Pereira
Comunidade da Trindade
lucia3trindade@yahoo.com.br
71
8849-0152
71 3327-2317

Mais informações:
Raquel Salama
Assessoria de Comunicação
Cáritas Regional Nordeste3

71 3356-8013/ 3357-1657

71 9925-6684

 

Tagged under:

1 Comment

  • Soila Ribeiro Responder

    Lamentável o extermínio dos moradores em situação de rua nos grandes centros urbanos. A exemplo do que acontecera em São Paulo em 2004 onde sete moradores de rua foram brutalmente assassinados e até hoje os culpados não foram punidos. A missa no proximo sábado é um clanor onde a população não está mais aguentando tanta violência com os mais empobrecidos. Estou indo morar em Salvador e tenho larga experiência com esse público, no que se refere a luta por politicas públicas contemplativas a essa população, bem como organização popular e protagonismo conforme preconiza a Politica Nacional da Assistencia Social. Sou parceira do Movimento Nacional da População em Situação de Rua em São Paulo e gostaria de trabalhar em Salvador levando minhas experiencias enquanto Assistente Social na garantia e Direitos e possibilidade Geração de Renda na área da Reciclagem.
    Temos que somarmos força para que os direitos da população em situação de rua não sejam mais colocados em segundo plano. Recentemente o Presidente Lula esteve em São Paulo, legitimando a Politica Nacional voltada a essa demanda e só poderemos avaliar o impacto de nossas lutas se estivermos unidos num só objetivos que é de trabalhar e desenvolver ações construidas coletivamente a partir da vontade do coletivo, onde cada morador em situação de rua seja sujeito de sua propria história.

    Soila Ribeiro
    Assistente Social engajada na luta em prol da População em Situação de Rua.

Leave a Reply

Your email address will not be published.